domingo, 22 de novembro de 2009

Um olhar para Londres


Um Olhar para Londres

                         Hoje vi essa foto do Saulo, meu filho, que atualmente está morando em Londres e não consegui deixar de comparar esse olhar, essa olhada pela janela, com uma outra foto sua ainda com uns 3 ou 4 anos de idade. E, como na foto de mais de vinte anos atrás (não quero entregar nossa idade!), vejo uma busca, uma procura, uma vontade de desvendar segredos na certeza de não estar aí "pra ver a banda passar" ! E esse Atlântico de emoções que nos separa e também nos une, fala do tempo entre as duas fotos e também da geográfica distância nossos corações. A gente torce para os filhos até como forma de compensar coisas que não vivemos e que projetamos em atitudes deles que poderiam perfeitamente ser algumas das nossas.
                         O Saulo é super tranquilo e tem um lado afetivo que sempre me cativou. Apesar de  todos os desencontros que tivemos em nossas vidas, sempre ele foi para mim uma referência de família em momentos bons e ruins que passei; e, certamente aliviou muitas de  minhas dores com sua presença. Vê-lo(junto com minha outra filha Fernanda) no Hospital em Leopoldina por ocasião de um acidente que sofri me deu uma emoção e uma tranquilidade que eu precisava bastante naquele momento; quando também visitou meu pai que estava já na fase terminal de sua enfermidade, também me comoveu profundamente. E acompanhou muitos de meus natais, assistiu a todas as peças de teatro que escrevi e apresentei com o Grupo Reviver, me levou ao Cristo Redentor (numa maratona só pra me dizer depois: isso é o Cristo?), me presenteou com livros e com o ombro amigo pela vida a fora!
                        Por isso essa foto me trouxe saudade e alegria por vê-lo onde ele queria estar. Vejo seu quarto simples e funcional e do calor daqui sinto o inverno inglês que se aproxima e que vai abraçar meu filho. Essa vidraça que o separa lá de fora, lá de dentro de seu sonho, é a continuidade daquela que um dia te mostrava talvez o parquinho do play  ou de um dia chuvoso mineiro. E mesmo que eu não tenha a minha foto também da janela, me vejo daqui de longe também te observando com olhar de pai na vontade louca de te ver feliz; também eu  te observo, onde te olho com ternura, onde te procuro e te encontro na busca do seu mundo! E só posso mesmo dizer que te amo e que vivo de saudades por ti! Beijo de pai, querido filho!





7 comentários:

Saulo disse...

Nossa, pai !! Adorei !! Fiquei até emocionado aqui.

Te amo !

Fátima Cerqueira disse...

Depois do primeiro comentário não preciso dizer muito.São fotos que remetem uma hitória de afeto mútuo.O texto cheio de emoção do pai preocupado, mas que sabe da necessidade de voo do filho.Há um momento de agradecimentos reconhecimento dos valores . Fiquei muito emocionada! Parabéns! Feliz é o Saulo por ter o pai Marcelino. Feliz deve estar o Marcelino por acreditar no seu filho.

Plínio Augusto disse...

Muito interessante... O olhar e os olhos transmitem as profundezas do pensar. Abração no Saulo!

Jean disse...

Olá Marcelino, faz tempo que não nos falamos.
Eu estou sempre dando uma olhada em seu blog e curtindo os bons textos com ótimas histórias,
muitas vezes com personagens que tive a oportunidade e satisfação de conviver, mesmo por poucos momentos,
mas saborosos e agradavéis como a presença do seu pai o; o senhor José Carlos. Que sempre ao encontrá-lo me tratava com muito carinho.
A sua mãe, a dona Nely, sempre meiga e atenciosa com as pessoas.
Marcelino um grande abraço e até mais.
Ah! As fotos do Saulo são excelentes. Jean

Leny disse...

Marcelino,

Sou mãe " corujona "; assim me dizem e assumo prazeirosa. Que você esteja sempre inspirado para escrever coisas lindas brotadas do coração é o que anseio. Marli me ligou mandando aquele abraço e beijos. O susto de ontem já passou .Beijos.
Leny

Leyse disse...

Cilino, Você foi, é, e será sempre o mesmo. Escrevendo coisas do fundo do coração. Sinto saudades de muitas coisas que você escreveu. Continue, faz a gente ficar orgulhosa e feliz.Te amo. Beijos, Leyse.

Botequeiros de Plantão BH disse...

MARCELINO.....SINCERAMENTE, ME EMOCIONEI COM O QUE ESCREVEU SOBRE SEU FILHO.
ACHO LINDO ESTA RELAÇÃO PAI-FILHO, APESAR DA DISTANCIA VCS ESTÃO LIGADOS PELOS LAÇOS DO CORAÇÃO E DA AFETIVIDADE